O paradoxo da dupla nulidade do mundo